sábado, 22 de setembro de 2007

A Praia e a Tartaruga

Perdido na imensidão da solidão, nos silêncios vazios da própria alma, onde nem o eco é capaz de preencher o vácuo.

Sozinho, como a tartaruga bebé quando se aventura no mar pela primeira vez, mas com a carapaça cheia de excelentes recordações, de sonhos desfeitos, de promessas quebradas e de mágoas comuns.

Sem Norte, sem destino algum, arrastando-se para o vasto Oceano. Olhando a pequena praia com a dor de que nada se poderá levar. A tartaruga é um mero viajante, que a praia se dignou a recolher, mas que agora rejeita com todas as forças.

A tartaruga não faz parte da praia...

...a praia fará sempre parte da tartaruga...

1 comentário:

Mariana Camargo disse...

Pelo menos a tartaruga sabe sempre o caminho de casa!